Edições

Este cuidado volume reúne, pela primeira vez, os nove romances do prestigiado autor brasileiro Machado de Assis - Ressurreição, A Mão e a Luva, Helena, Iaiá Garcia, Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, Dom Casmurro, Esaú e Jacó, Memorial de Aires. Luís Augusto Fisher elaborou o prefácio e realizou a fixação do texto para esta edição, que conta também com notas de Olívia Barros de Freitas.

Volume I, Coleção Biblioteca da Academia 

mais informação »

Alfredo Bosi, conceituado autor brasileiro, persegue com sensibilidade as formas históricas que enlaçaram colonização, culto e cultura - esta obra é o resultado deste percurso sui generis na história do pensamento brasileiro. A Biblioteca da Academia é um projeto conjunto da Glaciar e da Academia Brasileira de Letras. Funda-se no desejo de oferecer ao público português uma visão panorâmica altamente representativa da produção literária brasileira por meio das obras dos seus escritores académicos nos campos da ficção, da poesia e do ensaio.

Volume II, Coleção Biblioteca da Academia  

mais informação »

A publicação de Os Sertões, no início do século XX, é um marco na vida mental do Brasil. Livro único, sem igual em outras literaturas, misturando o ensaio, a história, as ciências naturais, a epopeia, o lirismo, o drama, mostra a definitiva conquista da consciência de brasilidade pela vida intelectual do país.

Volume III, Coleção Biblioteca da Academia  

mais informação »

A crítica tende a situar João Cabral de Melo Neto e Carlos Drummond de Andrade como os maiores poetas brasileiros do século XX. Embora sejam ambos, efetivamente, poetas excepcionais, não o são do mesmo modo. Grandes poetas acrescentam capítulos à história da literatura, e certamente Drummond escreveu textos fundamentais de nossa poesia. Mas autores como João Cabral, em vez de acrescentarem capítulo, logram criar outra gramática.

Volume IV, Coleção Biblioteca da Academia  

mais informação »

O Ateneu, impresso de janeiro a março de 1888 em folhetins da Gazeta de Notícias, pouco ou nada preserva das marcas mais ostensivas desse suporte, pois o interesse do livro nãorecai na trama, mas nas memórias e reflexões do narrador-personagem Sérgio sobre os dois anos de internato no colégio homônimo ao romance. Embora organizada cronologicamente, a obra não possui eixo narrativo central: registra, de maneira algo esparsa, episódios, pensamentos e intuições do protagonista, apresentando-se como “crônica de saudades”, não como romance, já que o foco se desloca do entrecho para o enunciador, suscetível aos efeitos do tempo.”

(Da Introdução de Gilberto Araújo)

Volume V, Coleção Biblioteca da Academia 

mais informação »

Castro Alves foi um dos maiores poetas brasileiros, conhecido como “Poeta dos escravos”. Deixou uma produção poética de rica unidade, capaz de reconhecer os conflitos dos homens de seu tempo e de superá-los poeticamente. 

Volume VI, Coleção Biblioteca da Academia  

mais informação »

Escrito num período de profundas transformações na paisagem urbana do Rio de Janeiro, captadas com o registo cru do naturalismo, que rejeitava qualquer forma de idealização do real, O Cortiço é o romance mais exemplar da estética realista-naturalista. Nele pode-se perceber com clareza a visão que os naturalistas tinham das reações sociais no desejo de enriquecimento que toma João Romão, a personagem principal. Um livro imprescindível em qualquer biblioteca clássica brasileira.


Volume VII, Coleção Biblioteca da Academia 

mais informação »

"Ler Minha Formação, mais de cem anos depois da publicação, é uma experiência literária única: Nabuco é um dos maiores escritores da nossa língua e, diga‑se em abono da verdade, o “cânone” português não é pródigo neste tipo de documentos autobiográficos. Mas Minha Formação é mais do que isso: o relato de uma vida que, pelas palavras e pelos actos, permitiu que o Brasil enfrentasse de pé o novo século, sem a ignomínia da escravatura. Para uma alma sensível como Nabuco, é legítimo inverter a máxima de Talleyrand: a escravatura era pior do que um erro; era um crime."

(Da Introdução de João Pereira Coutinho)


Volume VIII, Coleção Biblioteca da Academia 

mais informação »

Nono volume da Biblioteca da Academia, o mais importante romance de José de Alencar, um dos mais conceituados romancistas clássicos brasileiros.
Com apresentação de Paulo Franchetti e posfácio de Alfredo Bosi.


Volume IX, Coleção Biblioteca da Academia 

 

mais informação »